Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Gerar PDF Imprimir
Recomendar
 

  

Para o betão, o tempo quente não é um fenómeno exclusivamente relacionado com a  temperatura .

 

Outros factores têm efeitos semelhantes e  até agravantes quando ocorrem em simultâneo.

 

O ACI (American Concrete Institute), define Tempo Quente como sendo a ocorrência em simultâneo de pelo menos duas das seguintes condições:

  • Elevada temperatura ambiente;
  • Elevada temperatura do betão fresco;
  • Baixa humidade relativa;
  • Vento forte;
  • Radiação solar excessiva.

 

É reconhecido o efeito destas condições no favorecimento da evaporação prematura da água e da aceleração da hidratação do cimento, comprometendo a qualidade do betão fresco e endurecido podendo originar problemas de vária ordem, tais como:

  • Aumento da quantidade de água de amassadura com o consequente prejuízo da resistência mecânica;
  • Perda da consistência do betão fresco e tentação de correção com adição suplementar  de água “in situ”;
  • Ocorrência de retracção —plástica e por secagem  - e consequente aumento da tendência para a fissuração;
  • Prejuízo na durabilidade (redução do Tempo  de Vida Útil);
  • Heterogeneidade da cor do betão endurecido, devido aos diferentes estádios de hidratação do cimento.

  

Esquema 1

 

Efeito da temperatura do betão no abaixamento e na água de amassadura. (clique na imagem para aumentar)

  

 

   

    


            
O betão pode no entanto ser fabricado e aplicado em tempo quente  sem comprometer a sua durabilidade e resistência mediante a implementação de alguns procedimentos básicos tais como:

  • Privilegiar  cores claras nos silos;
  • Utilizar sempre que possível cimentos compostos;
  • Armazenar os agregados à sombra e recorrer a aspersores;
  • Utilizar adjuvantes adequados às condições climatéricas e à duração do transporte;
  • Evitar betonagens nas horas de maior exposição solar;
  • Optar por betões com consistências que favoreçam a colocação em obra de modo e diminuir o tempo de aplicação;
  • Diminuir a temperatura das cofragens (p.e. humedecendo-as com água fria);
  • Zelar para que a temperatura do betão não ultrapasse os 35°C, ou 25°C no caso de betonagens de grandes massas;
  • Iniciar o processo de cura do betão imediatamente após ter sido dado o acabamento;
  • Executar as juntas de dilatação logo que possí;
  • Proteger as peças betonadas com películas de polietileno, preferencialmente de cor clara;
  • Aspergir os elementos betonados com água cuja temperatura seja próxima da do betão para evitar a fissuração de origem térmica;
  • Promover a cura do betão por um período de tempo suficiente, considerando sempre as disposições normativas que constam na NP EN 13670 e no seu Anexo F.

 

Esquema 2            

 

Influência da humidade, temperature e velocidade do vento na evaporação da água. (clique na imagem para aumentar)

 


A produção, transporte, colocação e cura do betão são actividades que requerem cuidados que ganham particular importância durante o tempo quente.

           

No entanto não se deve assumir que o tempo quente é um fenómeno que ocorre apenas durante os meses de Verão e que só diz respeito à temperatura ambiente.


Deste modo, é necessário colocar em prática uma série de procedimentos com vista a mitigar os efeitos negativos que condições climatéricas desfavoráveis podem ter no betão.

 

Nunca negligenciar a cura dos provetes!  Como representam o betão aplicado em termos de resistência, não podem ser tratados com menos  cuidados.


  Para abrir ficheiro em pdf por favor clique aqui!


©2020 Grupo Cimpor